Superação - Parte I


Ontem contei a você sobre meus medos, agora vou relatar minhas superações, amigas psicologas e psiquiatras, sei que uma terapia e talvez algum remédio, também fosse de muita ajuda, mais decidi tentar  fazer a coisa do meu jeito....rsrs Já que de médico e de louco todo mundo tem um pouco...... Dra. Adelaide entra em ação, tudo bem, eu sei que tenho mais de louca do que de médica....rsrs..

No ano de 2007, decidi comerçar um curso de natação  e levei a família junto, por isso fizemos um curso familiar para iniciantes, familiar porque fomos os três (eu, marido e filha) e mais um monte de gente........claro que começamos com aparelhos de proteção: Eles com pranchinha de isopor e Euzinha com colete, boinha nos braços e pranchinha agarrada na borda da piscina o tempo todos. Após a primeira semana marido e filha já sem as boinhas começaram a treinar as braçadas e eu soltei a borda da piscina....uhu!!... após o primeiro mês os dois já sem a pranchinha estão treinando braçadas e eu, batendo perninha, mas sabe, descobri que preciso fazer uma cambagem (aquele alinhamento de rodas, feito em veículos quando dá uma pancada forte e afeta algo e quando você solta a direção percebe que o veiculo vai para um lado...) então puxo pra direita..... o que dificultou bastante, sim eu começava no meio da raia e parava quando batia na borda da piscina...... e na volta a mesma coisa incado a raia vizinha.....aff!!! Após 3 meses de aulas 3x por semana, consegui livar-me das boinhas e od coletinho, agorasomos só eu e a pranchinha e batendo perninha........(e o resto do povo nas outras raias), mas tô tão concentrada que é como se fosse só eu mesmo naquela imensa piscina...... enquanto isso nas raias ao lado, marido e filha já treinam outro estilo de braçadas. Um ano se passou e eu (vitoriosa) já consegui boiar sem ter o instrutor ao meu lado, apenas segurando na escadinha da piscina.......fiquei muito orgulhosa!!!! Para vocês terem uma ideia a felicidade era tanta que engoli uns 30% do liquido da piscina e nem achei que iria morrer afogada....consegui me recuperar sozinha....nem reparei se entortei a escadinha....acho que não ninguem reclamou!! Gentem voltei na semana seguinte e nem precisei de auxilio para entrar na piscina, ....não é maravilhoso!!! Conseguir descer a escada normalmente e só depois pegar a pranchinha, que ainda é um item de primeira necessidade, agora  eu já estava consigindo cruzar a piscina batendo pernas mais rápido que minha filha e marido, que por sua vez estão craques em um novo estilo de natação...Minha filha não se conforma... 
-Mãe você nunca vai lagar a pranchinha? Mas estou tão animada, que respondo:
-Para mim basta consigir boiar sem parecer que vou arrancar a escada que dá acesso a piscina. 
E olha que o fato de no momento em que canço no meio da piscina eu consigir boiar (com a pranchinha) respirar e retomar a batida das pernas.....sem me desesperar......isso para mim já é um sucesso total...sabe eu já descidi que o meu problema é de designer, se fosse um carro seria um daqueles modelos com porta-malas enorme e air-bag duplo na dianteira (o que deveria me fazer boiar) mas a sensação que tenho é que esse meus itens de fábrica vieram cheios de aço, pois são eles que me fazem afundar....pernas e braços flutuam...e o restante do corpo puxa para o fundo...talvez ergonomicamente eu não seja uma previlegiada para a natação....mas continuamos eu com pranchinha e agora já consigo boiar sem me agarrar ...apenas encostando meu dedo em algo firme....só que agora mudei de cidade....então ainda não fui visitar a escola de natação daqui e ver se vou conseguir confiar no instrutor.... mas já atravesso ponte, se dar vexame, e quando vou a praia não parece que o mar vai me engolir.....tá eu nem tento bater pernas dentro do mar, mas já consigo andar com a agua na altura da cintura......uhu!!!
A lição mais importante disso tudo acho que foi provar para a minha filha, na época com 10 anos e muitocompetitiva, que não importa o quanto o outro consegue, o que importa é o quanto vo cê é capaz de fazer.....até hoje só sei boiar e bater perninha com o uso de um objeto qualquer para me dar segurança...pode ser até uma caixinha de fósforo.... mais eu tenho que me agarrar a algo.......
E pasme outro dia vendo um desses programas estilo "Globo reporter" haviam crianças em um rio quando uma cobra d'água, cruzou o rio.... e eu falei para o meu marido:
-Uma vez quando eu e as meninas estavamos nadando no rio passou uma destas ao meu lado.
Ele me olhou e disse:
-Tem algo errado aí? e eu: -No que???
Ele:
-Você não sabe nadar???

É eu lembrei que quando criança eu nadava, com minhas amigas, em rio.......mas não sei onde está escondido este saber.............eu surpreenda minha familia, pulando em uma piscina e saia nadando.....com classe, desenvoltura...pois afinal estilo eu já tenho........kkkkkk
Um dia quem sabe....rsrs. Mas por enquanto contento-me em bater peninhas nas piscinas Brasil a fora......rsrs Por isso se algum dia vocês estiverem em um lugar e virem uma "jovem" de 40 anos, agarrada em um epaguete...(aqueles de natação....nada de comida quando estou na agua)...por favor não riam...de ser eu quem está treinando meu nado estiloso...rsrs.
Amanhã contarei como estou vencendo meus outros dois medos, me fala de você, o que tem feito para superar seus medos ou suas imperfeições??? Afinal ninguém...Oh!!! "ninguem é perfeito. (exceto eu....rsrs.)

Gentem tem blog fresquinho na área é da noiva de meu sobrinho, ela é arquiteta e oblog promete, passem lá para conhecer, basta clicar aqui...faça um blogeuira feliz!!
Comente via Blogger
Comente via Facebook
Comente via Google+

3 pessoas me fizeram feliz, falta só você:

Palavras Vagabundas publicou o comentário número:

Oi,eu só não gosto de altura, mas sempre enfrentei meu medo, tipo nõ olhar pela janelaem andares altos, não chegar perto de guarda-corpo em belvederes e etc... Fui levando, até o dia que
estive em um heliponto no 24 andar!!!! Passei muito mau,verdadeiro ataque de pânico, a sorte(sorte) que era um heliponto de um hospital e eu estava lá a trabalho, fui socorrida (olha o vexame!) e após alguns exames descobriram que eu tenho um problema congênito no labirinto (isso foi depois eles só me alertaram para procurar um especialista). Isso faz que em espaços muito abertos, com horizontes quebrados (tipo montanhas) me deixa tonta e não tem remédio! Por isso instintivamente eu tenho medo, resumo moro no terceiro andar e vou pouco na varanda.
Eu nado muito mal e somente se souber que posso ficar em pé.rs Mas não tenho medo de água.
bjs
Jussara

Paula... publicou o comentário número:

Adelaide...passei aqui rapidíssimo, adoro ler seus posts! Mas já esta bem tarde, e não quero sair sem te dar um 'oi'...prometo que amanhã volto e leio com mais calma...marido chamando toda hora...ai ai!

Beijo amiga!

Apenas um lugar para ser (Lis) publicou o comentário número:

Hahaha...

Sobre esse assunto, oq posso dizer é aos 9 anos quase me afoguei numa piscina de adulto e desde então tenho medo de piscinas de adulto (hehe) e mares revoltos. Não sei nadar, nunca fiz aula, mas já me prometi várias vezes q aprenderia.. quem sabe não resolvo logo isso? =)

A parte que mais gostei e que vou guardar comigo é essa aqui: "não importa o quanto o outro consegue, o que importa é o quanto você é capaz de fazer." Uma grande verdade com um valor imenso.

Beijos!!



Blog protegido

myfreecopyright.com registered & protected

Visualizações

Categorias