Educação vem de berço

Recentemente, quando eu tinha meus 12/13 anos (huuuummm), cheguei do colégio no horário de almoço, falando pelos cotovelo, motivo:
A policia tinha prendido um fugitivo que era conhecido pela alcunha de "DIABO", as histórias acerca dos confrontos dele com a policia eram fantástica. Sim corria a boca pequena que ele em fuga dos policiais, havia pulado um muro de 5 metros de altura (oiiii!!....interior 10.000 habitantes...nunca vi muro nem de 2metros que dirá de 5), ele rolando no chão e 10 policiais atirando contra ele não pegou nenhuma bala (depois descobri que na cidade nunca existiu 10 policiais), mas na hora eu falava como se fosse um super bandido, blindado.
Meu pai ouviu tudo atentamente, terminou o almoço, deu-me um dinheiro e mandou-me a mercearia para comprar maços de cigarro. Quando regressei ele já tinha algumas revistas em mãos, convidou-me a ir a delegacia com ele. Ao chegarmos lá ele conversou com o atendente da época e nós entramos lá no meio das celas para conversar com o "DIABO" (não existia superlotação na cadeia).
O que eu vi:
Encontramos ele magro, cabeludo e barbudo, um homem judiado, não o herói as avessas que eu estava imaginando.Um rapaz normal que havia sido terrível em sua adolescencia e jurava nunca tinha roubado nada, meu pai conhecia ele e toda a família, apresentou-me e conversou com ele. Na volta para casa ele me contou a história toda do rapaz e frisou que o caminho escolhido por vezes não é tão glamouroso quanto parece. Após me deixar em casa, meu pai foi trabalhar.

Conto um fragmento da minha vida para levantar a seguinte questão onde está  a família na hora que as crianças precisam. Sim pois ontem comentei da hipocrisia de punirem uma professora por um ato impensado de um aluno. E os responsáveis pelo aluno? Que não estão ouvindo o filho e acompanhando a seus estudos.

Se a atitude de meu pai foi certa? Eu acho que foi ele me ouviu e percebeu que eu estava com uma ótica difusa de um caso policial e fez o que estava ao seu alcance, sacrificou 1 ou 2 horas de seu trabalho.
"Escola é um local de transmissão de conhecimento
Educação vem de berço."

Precisamos curar nossas famílias, não é responsabilidade do MEC ou da Secretaria de Educação, ou de qualquer outro órgão. Além de ganhar pouco ao professor é vedado um monte de coisas, graças ao dito politicamente correto. Vou reafirmar. Folheto não ensina ninguém. Só aprendemos pela dor ou por amor. E a dor ensina bem mais rápido. O amor da família evita que tenhamos que sofrer para aprender.
Muita luz e paz
Abraços

 PS.: Mais tarde descobriu-se que marginais se aproveitavam da fama do rapaz em questão para cometer furtos enquanto ele estava na cidade. Ele foi inocentado em um Júri popular, que eu queria ir mais não tinha idade....rsrs Ao encontrar com meu pai na rua ele agradeceu e despediu-se dizendo que não voltaria para a cidade nunca mais. Os verdadeiros culpados acabaram presos. Não sei como foi o julgamento pois os outros não tinham fama.... Até hoje em encontros familiares lembramos de fatos como estes que antes eu julgava como uma excentricidade de meu pai, hoje sei que foi atenção a nossa educação.





Comente via Blogger
Comente via Facebook
Comente via Google+

8 pessoas me fizeram feliz, falta só você:

C. publicou o comentário número:

Concordo, educação vem de berco, nao adianta os pais culparem a escola, porque a primeira escola da criança é na própria casa...

beijos

martinha publicou o comentário número:

Olá Adelaide tudo bem? Sem dúvidas a educação vem de casar, visto que a função da escolar é educar, ou seja, desenvolver e incentivar os nossos dons. Beijo e té+

Josy publicou o comentário número:

Com certeza a educação vem do berço amiga, concordo com vc, e hoje em dia infelizmente já não se encontra mais pessoas que pensam e agem assim..bjokas

Paulo Tamburro publicou o comentário número:

ADELAIDE,

permita que mais uma vez eu deite falação.

Não tenho culpa, pois suas postagens são polêmicas e absolutamente, bem encaminhadas.

Confesso que gosto muito do jeito que você usa para dar formatação aos seus textos.

Mesmo!!!

Então vamos à famila.

Concordo com você:

"Escola é um local de transmissão de conhecimento
Educação vem de berço."

Pegunto Adelaide , que família?

Aquela cujo pai não "quer saber de problemas", a mãe pretende ser chefe de seção na empresa e trabalha 9,10 h por dia?

Que família?

Aquela que não faz mais as suas refeições à mesa, e sim sentados na cama vendo televisão, cada uma colocada em cada quarto, e a maioria com as portas fechadas?

Que família?

A família que apesar de estarem em casa, eventualmente, um fala com outro pelo celular?

Então ficamos combinados assim: Pais e mães , hoje estão absolutamente, ausentes.

A figura paterna sempre foi mais provedora do lar financeiramente e em geral, pouco preocupado com o dia-a-dia da educação dos filhos.

Esta sagrada tarefa era da responsabilidade da mãe que, diuturnamente, zelava pela prole com suas asas generosas e ensinamentos preciosos.

Mas, hoje a mãe, Adelaide, está sem tempo, sem paciência e sem motivação para as coisas da família.

A executiva, a mulher liberada, emancipada,sem grilhões e livre definitivamente do homem castrador, agora faz exatamente aquilo que os homens sempre fizeram, e elas tanto condenavam e com justa razão: O descaso com a família.

Na minha opinião falta à mulher depois dos movimentos de emancipação feminina, os quais eu sempre apoei, o que chamo de:

IDENTIDADE CULTURAL.

Afinal, Adelaide será que para ser emancipada precisa ser um homem de saias?

Será que o homem, além do aumento incomum e inesperado da homossexualidade masculina que leva milhões às avenidas do Brasil, nas já famosas passeatas, resolveu jogar definitivamente a toalha?

Adelaide,a familia está esgarçada e se toda mulher quiser ser presidenta da república ou da empresa onde trabalha e os homens continuarem a ficar amendrontados com esta nova mulher, os filhos nem terão mais informação na escola, e muito menos educação na família.

Que família?

Um abração carioca.

Nile e Richard publicou o comentário número:

Olá Adelaide.
Estou de pleno acordo com voce.
Agora vamos comentar,cade a família que vive preocupada com os seus altos e baixos e deixam os filhos a mercê do que quizer aprender e fazer certo ou errado.
Por que punir uma professora por maus atos de um aluno.
Aí os pais condenam a professora,todos condenam a professora..
Essa é boa,mas nunca se culpam dos seus próprios erros
bjtos.Nile.

Lu CY publicou o comentário número:

Trabalhei com educação e senti na pele o DEScomprometimento da família, que como bem disse o Paulo, já não é a mesma de anos e anos atrás (e era beeeem melhor) e também não concordo com o afastamento da professora... profissão sofrida, de anos de estudo, salário baixo, péssimas condições de trabalho e ainda por cima isso... lamentável.

Fernanda Fernandes publicou o comentário número:

com toda certeza,penso hoje como será que vão se sair as futuras gerações com pais tão ausentes e egoista!!

adorei o post!

bjs

fernanda

KINHA publicou o comentário número:

Olá Adelaide

Amiga a minha correria está grande eseria falsidade dizer que adorei o texto, pois não li. Me perdoe, mas a correria está grande . Passei para dizer que adorei a sua visita.

Uma ótima noite
Bjoooooooooooooo..................

http://amigadamoda.blogspot.com



Blog protegido

myfreecopyright.com registered & protected

Visualizações

Categorias