Árvore Genealógica - Schena

Sempre SOUBE que sou brasileira plena
25% bugre(índio), 25% negra, 25% portuguesa e 25% italiana
Mas nunca fui de fato atras das minhas origens pois sei que dá bastante trabalho
e não tinha tempo para tanto, agora com o término da faculdade, surgem novidades.....

Meu marido é filho de descendentes de italiano, com descendente de italiano,
ou seja, é 100% italiano, só que nascido no Brasil (risos),
bisneto de imigrantes italianos
(os dois bisavôs vieram da Itália, um ainda criança)
residiram na região de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. 

Ano passado o sobrinho de meu marido, 
decidiu fazer a cidadania italiana, 
e para isso eles começaram a juntar a documentação na família.

Acompanhar a busca, me deu vontade de buscar pela minha documentação também, assim vou partilhar com vocês descobertas que fiz ao longo dessa pesquisa, que ainda não terminou, e está bem trabalhosa e vai longe.....

Comecei tirando "Certidão de Inteiro Teor" (são documentos mais detalhados) da minha filha, do meu casamento, do meu nascimento. Depois busquei pela do casamento dos meus pais, a habilitação do casamento deles, certidão de casamento de minha mãe e a de casamento da minha avó, mãe de minha mãe, bem como a habilitação do casamento dela também.

Resultados obtidos:
  1. minha mãe nasceu em uma cidade e foi registrada anos depois em outra cidade, papai um negro inteligente e teimoso, na habilitação de casamento tem uma certidão que diz que ele era de cor branca......(Quem é o negro que chamei de pai?)
  2. Sobre a habilitação do casamento de minha avó materna consta que ela e meu avô perderam a documentação, por isso fizeram declaração que eram solteiros e pessoas de bem com direito a testemunhas e tudo, não me dei por vencida vou atrás disso também.... 
  3. Apesar de minha avó ter sido enterrada na cidade, o cartório de lá não encontrou o registro do óbito. Estou buscando um PAP - DY ou qualquer outra instrução de como achar certidão de óbito. 
  4. Quanto ao nascimento, ela nasceu em 1898, a família tinha certeza que era em Ponta Grossa, Paraná, mas o cartório de lá disse que não tem nada, agora estou pensando em ir na rota dos tropeiros para ver os cartórios mais antigos tipo Castro, Palmeira e imediações para ver se encontro algo.
  5. Consegui a certidão de casamento dos meus bisavós, que eram italianos em um cartório em Curitiba, veja que legal, ambos vieram da Itália se conheceram no Paraná, casaram e mudaram para Santa Catarina.
Curiosidades: no outro dia liguei para minha mãe e perguntei quem era o negro que ela me obrigou a chamar de pai minha vida toda..... Demos muita risada sobre isso. E olha que na segunda via da certidão que ele tinha em casa, ele era "pardo escuro", na carteira de reservista era "pardo médio" e no atestado de óbito era "pardo claro". E agora descubro que mamãe casou com um cara branco?...(não queria perder a piada...)

Você pode estar pensando que estou sofrendo à toa que tem pessoas especializadas em fazer isso, mas vamos lembrar que não estou trabalhando, ou seja, estudante de humanas tem que se virar e existem Coisas interessantes nesse processo:
  • Relembrar histórias contadas pela minha avó ou pela minha mãe, como o fato do avô de mãe ter sido morto na guerra do Contestado (suspeito que foi nesse momento que a minha avó ficou sem documentos, se é que ela os tinha) e descobri que existe uma monografia que cita a avó de mamãe, se tiver curiosidade só clicar no título. O ATAQUE ÀS ESTAÇÕES: UM EPISÓDIO DO CONTESTADO ATRAVÉS DA NARRATIVA DE ROBERT HELLING 
  • Ter contato com primo que à décadas não conversava, é muito bom, aja visto que moramos em Estados diferentes, e que eu mudo muito o que não facilita.
  • Analisar a documentação e tentar construir uma trajetória para determinar o próximo passo, é prazeroso.
  • Odeio datas, e agora estou sendo obrigada a ter em mente a data de nascimento de minha avó 21-03-1898 e de óbito 09-08-1985 pois são documentos que estão dando trabalho e não quero desistir.
Detalhe importante: 
esse é somente um ramo da minha árvore genealógica, 
só 25%, ainda tenho 75% para descobrir...rsrs 

Me conta, você já fez esse processo?

Conhece suas origens?

Tem os documentos?

Ouve seus avós?

Ouve as histórias de família? 

Ou está só prestando atenção nas bebedeiras da tia e no escândalo das festas de Natal?

Se ao ler meu relato percebeu que estou fazendo algo errado pode dar pitaco, se teve vontade de fazer e não sabe como começar, me conta, pode ser que eu já tenha pesquisado sobre aquilo que você ainda não viu.

Muita Luz e Paz!

Comente via Blogger
Comente via Facebook
Comente via Google+

1 pessoas me fizeram feliz, falta só você:

Betty Gaeta publicou o comentário número:

Oi Adelaide,
Eu pensei em fazer e na época usei um site internacional. Na verdade todo mundo vai atrás dos ascestrais italianos por causa da cidadania e eu sou 50% italiana, mas tenho muitacuriosidade sobre meu avô materno. Minha avó e meu avô eram separados e minha mãe descobriu que ele tinha casado com outra, portanto era bígamos, e ela tinha meio-irmãs, mas nunca se aprofundou. Será que eu tenho tia e ou tios?
Não sabia de certidão de inteiro teor e achei muito interessante... você está despertando um bichinho que estava adormecido em mim!
Beijos



Blog protegido

myfreecopyright.com registered & protected

Visualizações

Categorias