Ser mãe - Parte II

Nunca quis ter um cachorro..........minha filha sempre pediu e eu nunca cedi, era sem cogitação....deixa eu explicar os motivos: cachorro é vida, um bb, você tem que alimentar, dar água, levar ao veterinario, se for viajar tem que arranjar um hotel ou alguem que cuide... e não tinhamos essa disponibilidade toda, além de morar em apartamento e eu acredito (até hoje) que eles precisam de espaço para correr e brincar, essa história de ter cachorro e deixar amarrado no quintal, preso num canil minusculo ou dentro de apartamento (me desculpe quem tem), para mim é crime (embora a maioria faça isso) tá também sou contra humanizar o cachorro, acredito que ele deva ter um espaço para correr solto se exercitar, testar seus instintos, brincar.... vou explicar por que estou falando tudo isso:

Em 2007 nós mudanmos de cidade, de uma hora para outra minha filha recomeçou a ladainha do cachorro, que ele serviria para brincar com ela, que faria companhia, ela se responsabilizaria em limpar a sujeira, dar comida, agua e a brincar com ele.... eu sempre resistindo.....
Na Páscoa ela ganhou a Pérola (contei a vocês aqui.) E a coisa rolou como devia ser, até que na quinta feira ela fugiu e foi atropelada (neste post aqui), já medicada o remédio atacou o fígado, começou a vomitar e parou de comer, hoje faz duas noites que eu e o marido estamos dormindo aos pouquinhos (e eu aqui contando e chorando) mas gentem sei que é um animal, mas para mim se você o tem é sua obrigação cuidar, além do que para as neuróticas por limpeza, se eu não atender a cada vez que ela chora no dia seguinte minha casa pareceria o vomitódromo daquelas festas alemã.

Resultado estou um trapo, alem do que estou em nova discussão com minha filha, afinal sexta-feira terminam as aulas dela e......se a cachorrinha dela não estiver curada, ela não poderá sair se divertir..........(tá você está achando que sou radical? pode até ser mas ela assumiu a responsabilidade quando me convenceu a ter um cachorro responsabilidade é coisa séria.....)

Meu ponto de vista:
Se cachorro requer cuidados por 14 anos ou mais, de alimentação agua e limpar xix/cocô, então ele se enquadra no quesito dependente (quase como filho) eu nunca deixei minha filha doente para outra pessoa cuidar, eu defendo quem não quer ter filhos e engravida e dá a criança para a adoção pois, quem assim o faz dá a oportunidade de que a criança seja cuidada e amada....se ficasse com a mãe talvez fosse maltratada. 

A Pérola estava feliz com a mãe dela, apartir do momento que ela pegou assumiu a responsabilidade de mãe de adoção. Já a alertei que se ela for para morar em outra cidade terá que levar a Pérola com ela pois ainda tem apenas 3 anos, ou seja pela média terá 11 anos ou mais pela frente sob a responsabilidade de minha filha adoro aquela frase que não sei de quem é a autoria; "Cuidado com seus desejos eles podem se realizar"....esse caso reflete exatamente isso.

Pérola está em observação agora sem remédios não vomita mais, estou dando soro caseiro a ela, mas não quer comer, emagreceu bastante e está me preocupando muito pois também não estou preparada para lidar o sofrimento de minha filha, caso ela não resista.
O lado bom é que ela tem as orelinhas bem em pé, abana o rabinho quando falamos com ela, mas como sente dor no quadril, não está evacuando e se mantém imóvel maior tempo possível, já conversei com o veterinário que recomendou aguardar na segunda-feira ele passa por aqui para ve-la novamente.
Eu sei que ser mãe é algo bem complexo, pois a gente tem que suprir o lado financeiro, físico, emocional e psicologico...quando é algo entre eu/marido e filha ok! eu domino, mas quando é briga com amigas, ou colegas de escola....não temos como agir.... a minha técnica é ficar ao lado dela e sempre afirmar que carinho de mãe ajuda a suportar melhor a dor....e isso vale para qualquer dor.................

Perdão pelo desabafo, de mãe
Grande abraço


Blog protegido

myfreecopyright.com registered & protected

Visualizações

Categorias