o tricô nosso de cada dia....

Sou dessas pessoas que ama sentar para assistir televisão com um tricô na mão para satisfazer minha criação baseada em "ser" produtivo.....

Sim.. historicamente nós classe trabalhadora precisamos ser 24 horas por dia produtivos,  já a elite estabelecida é permitido o ócio por ele só. 

Se você faz parte dos que já ouviu ou leu as máximas: "estude, enquanto eles dormem. Trabalhe, enquanto eles se divertem. Lute, enquanto eles descansam. Depois viva o que eles sonharam" E achou perfeito, seja bem vinda (o) a classe trabalhadora, assalariada. Essa frase circula como sendo de "autor desconhecido" e eu nem quero saber quem produziu pois se tem algo que sou contra é a desvalorização do ócio. 

A elite estabelecida, essa não me lê, é permitido parar e ficar sem fazer nada produtivo, podem dormir o sono da beleza e recuperar as energias para investir no ócio como achar melhor que ninguém fica falando que "não faz nada", "é vagabunda (o)". 

Enquanto nós fomos ensinados a produzir, produzir, produzir. Quanto ao sono, quanto menos dormimos e mais produzimos mais somos admirados pelos nossos pares, e se em troca dessa rotina louca conseguirmos comprar o carro do ano e uma casa grande aí somos exaltados, mesmo que não tenhamos tempo para ver os filhos crescerem, curtir a natureza e viver a vida plenamente.

Eu sou uma alma de elite estabelecida morando num corpo de outsider, tradução: devo ter sido mega rica em outra encarnação e nessa vim proletária. Amo sentar e observar a natureza só prestando atenção a minha respiração e ao que está ao alcance dos meus olhos. Acordar cedo e ficar na cama, me preparando para mais um dia, sem correria. Sair para uma caminhada sem roteiro certo. Me exercitar se tiver vontade e comer o que gosto na hora que quero. Sentar e fazer nada, de diversas formas (mas tudo isso são luxos na vida real de 90% da população do planeta). 

É no ócio que encontro as melhores soluções para coisas que preciso. É do ócio que tenho minhas melhores lembranças, principalmente no que se refere ao acompanhamento do desenvolvimento de minha filha. Poder dançar com ela quando era pequena em manhãs de inverno em que não queria ir a escola, ou como dizia "hoje não quero ir para o trabalho mamãe" e eu ligava para o trabalho e explicava que ficaria em casa com ela (privilégio de poucos). 

São essas boas lembranças que muitas pessoas nunca terão pois estão seguindo aquela frase do desconhecido em busca de um sonho que não é seu, pois a ultima frase é a mais cruel "depois viva o que eles sonharam" gente para que desperdiçar horas de sono, diversão e descanso" se o sonho não é seu? 

A maioria das pessoas com quem converso falam que o maior desejo é ter o suficiente para uma vida confortável e tranquila, sem desespero para pagar as contas, mas se você for reparar a pessoa está sempre disputando com o mercado para ter o melhor carro, o melhor celular, a melhor marca de roupa......Vivem em constante insatisfação material.

Mas voltando ao meu ócio produtivo que acontece diversas vezes, já fiz 2 blusas de lã esse ano. desmanchei uma que mamãe fez e não gostou e fiz outra para ela. E agora pequei duas que não serviam para ninguém de casa e iriam para doação desmanchei pois ganhei alguns novelos diversos de lã que sozinhos não renderiam nada útil, mas se forem "detalhes" podem render 2 blusas, então decidi mesclá-las e fazer 4 blusas coloridas e assim teremos o dobro de pessoas aquecidas.

 


Essa Cinza e Rosa fiz nessa semana, 
com a mescla de lãs e a blusa que desmanchei. 
Não usei receita e é um tamanho M/G adulto.

Essa blusa preta e vermelha é a que fiz para mamãe, 
uma vez que o modelo que ela fez não gostou, 
então "desconstrui" o padrão e criei um com mangas ajustadas e corpo mais alongado, 
cobrindo o bumbum, já que minha mãe é uma mulher alta e bem friorenta.

Desejo que você tenha um ótimo final de semana!

Muita Luz e Paz!

Abraços

Comente via Blogger
Comente via Facebook
Comente via Google+

6 pessoas me fizeram feliz, falta só você:

Marly publicou o comentário número:

Adelaide,

Eu sempre achei que o trabalho e o ócio (que também pode ser chamado de descanso/lazer) devem ser complementares. Isso porque, ambos, em excesso, acabam sendo ruins. O trabalho tem duas características: costuma ser sempre necessário (sempre há o que fazer) e costuma nos proporcionar um senso de utilidade e sentido, que são coisas importantes. Mas a exigência de trabalho incessante ou repetitivamente muito prolongado é egoísta e tola, pois a ausência de lazer/descanso impacta negativamente o trabalho. O mundo já atravessou grandes períodos em que o ócio de uns era compensado pelo trabalho incessante (e quase sempre mal pago!) de outros. Eu acho que a gente tem que superar isso e dar um passo adiante, em nossa jornada de evolução espiritual.
Quanto ao tricô, parabéns pelo trabalho. O tricô é a minha arte 'de lavores' preferida, mas faz tempo que eu não faço, rsrs.

Beijo

Dalva Rodrigues publicou o comentário número:

Texto maravilhoso, meus aplausos, em pé!!
São tantas ideias que nos vendem para nos tornarmos escravos de nós mesmos e sermos usados para o lucro incalculável de poucos.
As formigas têm seu valor, mas as cigarras, estas alegram o viver e têm seu valor.
Os tempos mudaram, as massas precisam se ligar no movimento ao invés de dormirem nesse papo de meritocracia, que só depende de você, dar o seu melhor...PARA ELES. A troco de quê?
O tricot rendeu, hein, adorei! Eu me aventurei um cadinho no tricot nos tempos que filho era bebê, fazia no trabalho à noite depois das tarefas cumprida hehehe
Abraço e boa semana!

Tays Rocha publicou o comentário número:

Estava falando justamente sobre isso com uma amiga ontem, essa ideia que andam vendendo que vc tem que ter mais, ganhar dinheiro mais fácil e ser produtivo até quando dorme, não me cabe...
Trabalho e sempre trabalhei muito, e gosto, mas ultimamente aprendi a respeitar os meus limites, diminuí muito meu consumo pra ter paz e uma vida mais tranquila. Descanso é primordial, tirar um tempo para si mesmo também.
Que tenhamos sempre esse discernimento e sabedoria pra não cairmos nessas armadilhas.
Bjs ♥

Chris Ferreira publicou o comentário número:

Oi Adelaide, eu adoraria sentar em frente a TV e fazer um tricô. Já tentei algumas vezes, mas me embolo com as linhas, quando percebo estou com a linha curta tricotando espremida no pescoço. kkk. Adorei as blusas que você fez durante o seu ócio criativo.
Aliás, precisamos muito desses momentos de ócio e de contemplação da natureza, do deixar a mente fluir par onde ele quiser. Sonhar os nossos sonhos e vivê-los mesmo que seja em sonho.
Adorei o seu texto e já não me lembrava das frases que já ouvi sim quando pequena. Realmente essa última é muito cruel. Vamos viver os nossos sonhos e no nosso tempo.
beijos
CHris


Inventando com a Mamãe / Instagram  / Facebook / Pinterest

Vanessa publicou o comentário número:

Olá! Amo fazer trabalhos manuais, mas ainda não me aventurei no tricô. Achei linda as blusas.
Beijos.


https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

Betty Gaeta publicou o comentário número:

Oi Adelaide,
Adorei as blusas.
Faz muito tempo que não faço tricê e nem crochê, pq não me sobra tempo. Me abarrotei nesta pandemia e meu tempo encolheu.
Eu nunca li ou ouvi a frase que vc citou, mas talvez seja da minha mãe,pois ela era exigente pra burro! Fui criada sem mimimi!
Beijos



Blog protegido

myfreecopyright.com registered & protected

Visualizações

Categorias